Pirikos

pesquisar

 
Segunda-feira, 29 / 11 / 10

Parto III

Entrei na sala de partos eram 2 e pico da manhã.

 

Fui observada por um enfermeiro muito simpático que me disse: "já tem condições óptimas para levar epidural, quando quiser é só dizer"

 

Como ainda não tinha dores nenhumas disse-lhe que ia aguardar mais um pouco desde que ele me fosse observando, pois quando foi do Diogo só fui observada estava com 5 cm e já não me queriam dar epidural.

 

As horas foram passando e a dilatação não adiantava. Comecei a ter um desconforto mais forte (nada de especial, mas como já sabia o que vinha a seguir...) e pedi epidural.

 

Num instante colocaram a santa epidural e passado cerca de uma hora administraram ocitocina para acelerar a coisa.

 

Eram quase 7:30h da manhã e não havia grande evolução. Comecei a temer pois detesto as mudanças de turno (devo ter um dedo que adivinha).

 

Mudou o turno e entrou ao serviço um enfermeiro com uns "tiques estranhos". Observou-me, aumentou-me a ocitocina e disse-me para aguardar. Perguntei-lhe pela epidural porque estava quase a acabar aquela dose e ele disse que não acabava, a máquina apitava e eles colocavam mais.

 

 

Mas a verdade é que as contracções começaram a fazer-se sentir e eu pedi para aumentar a dose. Pois o parvalhão veio com a conversa que isso eram modernices e que as nossas mães e avós tinham feito tudo ao natural e eram umas grandes mulheres e blá, blá, blá.

Apeteceu-me dizer-lhe umas coisinhas mas depois quem as pagava era eu e engoli em seco.

 

Passado um pouco rebentaram as águas e chamei o enfermeiro. Veio o enfermeiro e julgo que uma enfermeira auxiliar observarem-me. Comentaram que tinha mecónio, ao que eu fiquei apreensiva, pois sabia bem que era sinal de sofrimento para o bebé. O enfermeiro tentou descansar-me mas não me convenceu.

 

Observou-me e achou estranho o bebé não descer. Mandou-me fazer força e observou novamente. Olhou para a enfermeira e fez uma cara estranha ao dizer que estava a mexer numa orelha e não na parte de cima da cabecita do bebé.

 

Não gostei nem um pouco da cara da enfermeira!!!

 

O enfermeiro voltou a observar-me, mandou-me fazer força e disse: "afinal não é uma orelha, é um olho. Vou chamar um médico, acho que o parto tem de ser diferente".

 

Gelei naquele momento. Percebi que o bebé não estava bem posicionado, embora não me tivesse ainda apercebido da gravidade da situação. Gelei mais por pensar que o enfermeiro podia ter lesionado o bebé no olho.

 

Chegou uma médica que me observou e disse: "Por mais vontade de fazer força que tenha, por amor de Deus, não faça. Temos de ir para cesariana e tem de ser rápido".

 

Aí sim entrei em pânico (por dentro, exteriormente o que se via eram as lágrimas a rolarem-me cara abaixo)... o meu pequenito estava com os olhos e cana do nariz a bater na minha bacia, ao mais pequeno movimento poderia estar em risco de vida (pânico, pânico, pânico... chorei)

 

Num instante me preparam para o bloco e me fizeram uma cesariana. Correu tudo muito bem, embora tivesse de controlar a vontade de fazer força uma série de vezes (não foi fácil, mas só o saber que tinha o meu menino em risco fiz o possível e o impossível).

 

E assim nasceu o piriko Afonso, às 11:45h da manhã. Nem sei descrever o que senti quando o ouvi chorar e a médica me disse que era ele e que estava bem. Foi um momento mágico.

P.s: - Tadito, tinha a cabeça inchada devido à posição e vinha com sangue por baixo dos olhos devido ao toque do enfermeiro (mais uma vez o pânico de achar que estava lesionado).

publicado por pirikos às 20:19
Segunda-feira, 29 / 11 / 10

2 meses

Dois meses de um menino delicioso...

 

Tem sido uma experiência fantástica em cada dia, em cada descoberta, em cada sorriso, na tua existência!

 

Com apenas 2 meses já sorris imenso e palras de uma forma tão ternurenta que apetece ficar a olhar-te horas sem fim.

 

Com a penas 2 meses já vestes fatinhos de 3 meses e usas fraldinhas nº 3 (desde 1,5 meses).

 

Pesas 5 kilitos (amanhã confirmamos, porque há duas semanas a coisa não foi famosa)

 

 

 

És simplesmente lindo:

 

 

 

 

 

Parabéns meu pequeno piriko!

publicado por pirikos às 20:15
Domingo, 28 / 11 / 10

Boa...

* * * * * * *

publicado por pirikos às 15:44
Quinta-feira, 25 / 11 / 10

Hoje

* * * * * /

publicado por pirikos às 20:37
Quinta-feira, 18 / 11 / 10

O Parto II

Durante o jantar do dia 28/09/2010 não parei de ouvir o pai piriko dizer que eu estava a ser negligente, que estava a sentir muitas contracções (embora não dolorosas) e que o piriko ainda ia nascer na auto-estrada.

 

Posto isto, e para não o ouvir, lá cedi e fomos à maternidade haviam de ser aí umas 22h.

 

Estávamos a pasar junto à povoação da Carapinheira, a cerca de 25 km de casa (para quem não sabe a MBB - Coimbra fica a cerca de 50 km de minha casa - Figueira da Foz) e eu mandei-o dar meia volta e regressar a casa pois as contracções pareciam estar menos ritmadas e uma vez que não eram dolorosas não devia ser mesmo para a altura.

 

Olhou para mim como quem me queria afogar e deu meia volta.

 

A minha sogra estava em nossa casa para a eventualidade de termos de ir a meio da noite para Coimbra e alguém tinha de ficar com o Diogo.

Eram cerca de 1h da manhã e o raio das contracções não paravam (não dolorosas) pelo que decidi vestir-me e avisei o pai piriko de que íamos a Coimbra. Desta vez olhou-me como quem me afogava se fosse falso alarme e eu o mandasse virar na Carapinheira. (A verdade é que eu continuava com a sensação de que ainda não era a altura, mas fiquei com a do "ainda nasce na auto-estrada" na cabeça)

 

Desta vez deixei chegar a Coimbra... Mas ainda hesitei para entrar na maternidade, mas depois de ver o olhar de ou entras ou tens o puto aqui porque eu faço-te o parto, lá fui eu!

 

Estava na hora de mudança de turno pelo que estive meia hora a fazer o registo só com uma enfermeira pois não estava nenhum médico ainda de serviço.

 

Após o registo mandou-me aguardar na sala de espera.

 

Disse ao pai piriko: "as contracções não estão tão ritmadas, vais ver que me vão mandar umas bocas foleiras pelo adiantado da hora e que não vim cá fazer nada e blá, blá, blá. Pois te garanto que se não for agora só cá volto quando as contracções estiverem de 2 em 2 minutos e bem dolorosas".

 

Olhou para mim, não disse nada mas deve ter pensado "anda mesmo maluca e eu que a ature".

 

Passado uns minutos chamaram-me para ser observada pela médica:

 

Médica: "Então com estas contracções todas não tem dores?"

Eu: "Não"

Médica: "Fantástico, vamos lá ver isso..."

 

Médica:"Vamos para a sala de partos!"

Eu:"O quê? mas eu não quero que o parto seja induzido Drª"

Médica: "Induzido? Ouviu o que eu disse? Vamos directas para a sala de partos, está com 3,5 dedos, aliás se forçar um bocadinho cabem 4, vai ser para hoje! Mas não quer ir é?"

Eu: "Quero, claro!"

 

Nem queria acreditar.

 

Chamaram o pai piriko e pediram-lhe a roupa do bebé. Ficou estupefacto e disse: "Mas vai nascer?"

 

A sério parecia um filme de doidos, nem parecia que era o segundo filho, mas como o 1º foi induzido a experiência o que já descrevi...

 

Vesti a bata maravilhosa (urgh) da maternidade e ouvi a médica telefonar para a sala de partos a dizer que ia entrar uma senhora em trabalho de parto, com umas contracções fantásticas e sem dores.

 

E lá fui eu, haviam de ser umas 2h e tal da matina...

publicado por pirikos às 14:40
Quinta-feira, 18 / 11 / 10

O Parto I

Na manhã de terça-feira, dia 28/09/10, lá fui eu ter com o médico para fazer uma avaliação intermédia até à data que o médico prevera (sexta, dia 31/09/10) para o nascimento do meu piriko Afonso.

 

Começámos por fazer uma eco: tudo normal (bebé e líquido), logo poderia esperar mais um pouco para o nascimento (sim, porque para além do médico ser dessa opinião, eu sempre manifestei a minha apreensão em induzirem-me o parto, fruto de uma experiência menos boa).

 

Seguiu-se o CTG...

... O enfermeiro, bastante simpático por sinal, instalou-me os aparelhos necessários e toca de fazer o registo. Começou logo a acusar contracções, ao que o enfermeiro me disse que era bom sinal, mas que em princípio eram espaçadas. Ok, confirmava o que andava a sentir, contracções não dolorosas. À medida que o tempo foi passando começo a aperceber-me que o enfermeiro olhava várias vezes para o registo e a cara dele mudava de feições.

Às páginas tantas surge uma enfermeira e espreita o registo. Franze as sobrancelhas e diz-me: - "Está cheia de contracções!".

Entretanto desligaram-me o CTG e mandaram-me aguardar pelo médico.

 

Levei o papel do registo comigo para mostrar ao médico e aguardei cá fora com o pai piriko.

 

Pai piriko: "então o que se passou? Vi-te a entrar na sala de indução e fiquei aflito, mas entretanto falei com o médico e ele disse-me que não era para já, estavas só a fazer um registo para uma avaliação intermédia."

 

Eu: "Pois..., só não sei o que ele vai fazer com isto!" (mostrei-lhe o registo cheio de contracções ritmadas em cerca de 6 minutos)

 

 

Entretanto chega o médico, chama-me e diz: "disseram-me que está cheia de contracções, é verdade?"

 

Eu: "mais ou menos, veja";

Médico:"Elá! Eu não era para a observar, mas lá terá de ser..."

 

Lá fui eu para a marquesa ser observada. A dilatação mantinha-se, permeável a 1,5/ 2 dedos. Poderia ainda aguardar, segundo o médico sexta ou sábado era os dias perfeitos.

 

Posto isto, volta para casa e aguardar.

 

Fui almoçar com a Pat. que fazia anos e depois fui até casa descansar até à hora de ir buscar o piriko Diogo à escola.

publicado por pirikos às 14:15
Quarta-feira, 17 / 11 / 10

Palrar

Se a noite foi terrível, passada a ver o pequeno piriko quase sem respirar (passei a noite a pôr soro e a aspirar o narizito) devido à constipação...

 

... a manhã foi fantástica:

 

Costumo falar bastante aquando e após a muda da fralda e ele já vai rindo voluntariamente.

 

Mas hoje...

 

... deitei-o em cima da cama, falei com ele e para além dos maravilhosos sorrisos começou a palrar. Sim, a palrar!

 

Ainda pensei que fosse involuntário, mas repetiu-o vezes sem conta e eu babei-me toda, literalmente.

O meu menino está a despertar para a vida, cada vez mais lindo, cada vez mais doce.

 

Que tenhas a alegria de viver que o teu manito demonstra ter.

 

Que sejam os dois brindados com muita felicidade e cumplicidade.

 

Não imaginam o quanto vos amo!

 

P.S. - Sim, estou em falta com o blogue, tenho de registar o momento do parto (está em rascunho para ser terminado); o relato do 1º mês de vida do Afonso (simplesmente delicioso) e o 3º aniversário do Diogo (não me esqueci, como é óbvio, acho que lhe proporcionei um dia muito feliz, de tal modo que fala constantemente nele).

publicado por pirikos às 15:24
Sábado, 13 / 11 / 10

Tempo

Tanto por registar e tão pouco tempo para o fazer...

 

... Que horas são? Quantos são hoje? A quantas ando?

 

Feliz, é certo, mas sem noção do tempo!

publicado por pirikos às 10:14
Segunda-feira, 01 / 11 / 10

Dioguisses

O Piriko mais velho anda com cada saída...

 

Olhem só:


Quando não faço algo de acordo com o que ele tinha em mente diz:

 

-"Oh mãe, tu não sabe nada!"

 

E já chegou a dizer ao pai:

 

"- A mãe não sabe nada, é menina!"

 

Ora que fixe...


Da lenga lenga do pirata, não acerta uma:

 

Diogo:: Eu sou o "piata pena" de pau...

cara, olho...

"vido, mau"

 

Para quem não sabe, a lenga lenga é:

Eu sou o pirata perna de pau,

olho de vidro

e cara de mau

 

(oh pirralho e a burra sou eu? Olha sabes que mais? Tu é que não sabes nada! Toma!)

 


Pediu-me para contar/inventar histórias...

 

...Pediu-me o "Era uma vez o rei..."

 

Lá comecei.

 

Eu: era uma vez o rei que tinha uma rainha. A rainha chamava-se Marta...

 

Diogo: Marta não, a Marta tá na "cola" (escola)

 

Eu: Ah, ok. Então era uma vez o rei que tinha uma rainha. A rainha chamava-se Maria...

 

Diogo: Maria não, a Maria tá a limpar a casa da avó!

 

Eu: "nheda-se!" Então, deixa ver... era uma vez o rei que tinha uma rainha. A rainha chamava-se Vitória...

 

Diogo: Vitória não, vitória acabou-se a história!

 

Eu: Ai porra porra! Então era uma vez o rei que tinha uma rainha. A rainha chamava-se Beatriz, pode ser?

 

Diogo. Hum, pode ser!

 

Eu: Ufa!

 


O pai desenhou uns bonecos (darth vader e darth maul).

 

Diogo: Mãe, quem são estes?

 

Eu: É o preto e o diabo!

 

Diogo: não! é o "peto" e o "mole"!

 

Eu: Ahhhhhhhhhh!

 

Diogo: Mãe, quem são estes?

 

Eu: É o preto e o maul...

 

Diogo: muito bem, mãe!

tags:
publicado por pirikos às 15:15
Um blog sobre a aventura da gravidez e da maternidade!

O Diogo em Imagens

Novembro 2010

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
19
20
21
22
23
24
26
27
30

mais comentados

mais sobre mim

subscrever feeds